Associação Portuguesa de Sociologia|aps@aps.pt

Envelhecer sem crescer? Estratégias de resistência de profissionais de ciência face à precariedade

Início/Notícias/Envelhecer sem crescer? Estratégias de resistência de profissionais de ciência face à precariedade

Envelhecer sem crescer? Estratégias de resistência de profissionais de ciência face à precariedade

12 de outubro de 2020, 10h30 | Evento em formato digital

Desde 2005, o CES organiza um Ciclo Anual de Conferências para conhecer, refletir e discutir trabalhos de investigação produzidos dentro e fora de Portugal por jovens cientistas sociais. Na origem deste ciclo esteve a vontade de promover o diálogo interdisciplinar a partir de trabalhos produzidos noutras instituições. Para tal, temos contado com o contributo de alguns dos mais promissores jovens cientistas sociais, a que se têm juntado atores munidos de diferentes saberes. Assim, os encontros vêm sendo feitos com pessoas de várias áreas e instituições académicas e de diferentes organizações da sociedade civil.

A XV Edição dos Jovens Cientistas Sociais adotou o tema dos percursos precários e estratégias de resistência de “Jovens” investigadoras/es..

Enquanto trabalhadoras/es, poderemos envelhecer sem crescer? Que limites e possibilidades enfrenta atualmente um/a jovem investigador/a na construção de um percurso na ciência? Não podemos afirmar que a precariedade tem uma idade, quando “jovens cientistas” de cabelo branco, já em fim de carreira, permanecem na categoria/rendimento inicial de investigador. De que forma o DL57/2016 (Norma Transitória), o PREVPAP e o Concurso Estímulo ao Emprego Científico Individual (CEEC-IND), apoiados por associações e sindicatos, redefiniram esta situação? Que estratégias pessoais e profissionais ativam estes investigadores e investigadoras para firmarem e consolidarem a sua posição na feitura de ciência frente a um contexto de instabilidade e incerteza? Que tipo de recursos, do acaso biográfico à estratégia pensada e planeada, são usados para moldar um perfil e percurso que as/os “sublinhe” entre a multidão? Retrospetivamente, mas imaginando o(s) futuro(s), o que as/os trouxe para a ciência, como se reinventaram e readaptaram no decorrer dos anos e o que esperam vir a ser, ter e fazer na profissão? A ciência é um “país para velhos” ou pode a/o jovem atravessar a fronteira com a bagagem certa de temas, teorias e metodologias? Partindo do pressuposto de que ninguém encontra e segura um “lugar” sozinha/o, que redes de relacionamentos, afetos e solidariedades profissionais tecem estas/es investigadoras/es para ter um posto de trabalho remunerado agora e depois? Frente à atual pandemia, confinando e virtualizando muitas das atividades de investigação, do trabalho de campo à organização de eventos, quais os obstáculos encontrados e quais as possibilidades que se abriram no esforço diário para resistir à precariedade e construir uma carreira? Na edição “Jovens Cientistas Sociais 2020” refletiremos sobre a construção destes presentes e futuros, dos problemas às soluções, refazendo vidas e reimaginando profissões, partilhando estratégias de resistência para que outras/os (jovens ou velhas/os) as possam multiplicar. Partiremos das experiências e vozes das/os próprias/os investigadoras/es, daquelas e daqueles que ficam, partem ou mudam, trabalhando e resistindo.

Coordenação: Susana de Noronha, Sidh Losa Mendiratta e Luciana Sotero

[Atividade a decorrer no âmbito da semana de acolhimento dos Programas de Doutoramento CES-UC]

Esta atividade realiza-se através da plataforma Zoom, sem inscrição obrigatória. No entanto, está limitada ao número de vagas disponíveis.
https://us02web.zoom.us/j/86958172852
ID: 869 5817 2852

2020-10-07T15:28:34+00:00